terça-feira, 20 de março de 2018


Foram presos nesta segunda-feira (19) durante a Operação Caifás, bispo de Formosa, Dom José Ronaldo, e quatro padres. Escutas telefônicas autorizadas pela Justiça apontam que o grupo comprou uma fazenda de criação de gado e uma casa lotérica com dinheiro desviado de dízimos e doações.

Em decisão, juiz disse haver indícios de que o dinheiro era usado para despesas pessoais e que carros da Diocese de Formosa eram usados com fins particulares.

Segundo a investigação, o grupo se apropriava de dízimos, doações e arrecadações de festas realizadas por fiéis e taxas de eventos como batismos e casamentos.


O prejuízo estimado é de mais de R$ 2 milhões, de acordo com o MP. Foram cumpridos nove mandados de prisão e dez de busca e apreensão em Formosa, Posse e Planaltina.

As investigações começaram após denúncias de fiéis que relataram desvios iniciados em 2015. Em dezembro de 2017, o bispo negou haver irregularidades nas contas da Diocese de Formosa.

Bispo de Formosa, Dom José Ronaldo, foi preso durante operação do MP


Segundo o promotor de Justiça Douglas Chegury, um dos responsáveis pela operação, foram apreendidas caminhonetes da cúria em nomes de terceiros, além de uma grande quantia de dinheiro em espécie, com valor ainda não foi divulgado.

Em dezembro de 2017, fiéis denunciaram que as despesas da casa episcopal de Formosa, onde o bispo mora, passaram de R$ 5 mil para R$ 35 mil desde que Dom José Ronaldo assumiu o posto, havia três anos.

"O que nós temos certeza é que as contas da cúria não fecham. Então, nós queremos a abertura pública das contas da cúria administração da diocese e dos gastos da casa episcopal", disse uma fiel, que preferiu não se identificar.


0 comentários:

Postar um comentário